Allentejo

  • RSS
  • Facebook

No encontro do fluente caudal do Guadiana e do afluente da ribeira de Oeiras estabeleceu-se a milenar vila alentejana de Mértola. Na escarpa da margem direita desse rio fronteiriço, os diferentes povos que aqui se estabeleceram procuraram dotar o seu burgo de consistentes e eficazes defesas.

Com efeito, a Myrtilis dos Romanos era uma próspera e influente cidade do Sul peninsular defendida por importante fortificação, o que não evitou o inevitável avanço de Suevos e Visigodos. Algum tempo depois, ventos de guerra sopravam do Norte de África e a invasão muçulmana expandiu-se rapidamente.

Cerca de cinco séculos mais tarde, a contra-ofensiva das armas cristãs fazia sentir a sua pressão sobre as margens do Guadiana. O crepúsculo do Islão em território nacional iria ocorrer nos meados do século XIII. Com efeito, Mértola é conquistada por D. Sancho II em 1238, doando este monarca o seu castelo à Ordem de Santiago da Espada – monges-militares que já tinham na sua posse a defesa de outras localidades no Sul do País. Antes da sua transferência para Palmela, os Espatários fizeram de Mértola a sede da sua ordem.

O Castelo de Mértola sofreu algumas metamorfoses ao longo dos séculos. Depois do seu perfil romanizado e islâmico, o castelo iria ter obras de monta até ao século XIV. O mestre João Fernandes ergue a torre de menagem em 1292, bela edificação reforçada por cunhais de cantaria e com a parte superior ameada. Acede-se por porta ogival a uma ampla e alta sala, coberta por abóbada ogival de cruzaria. Actualmente, esta sala conserva um valioso espólio de pedras lavradas das épocas romana, visigótica, islâmica e portuguesa até ao século XVIII.

D. Dinis manda edificar a cerca que protegia o burgo, enquanto os seus sucessores – D. Afonso IV e D. Pedro I – prosseguem a melhoria das suas defesas.Apesar da sua posição estratégica, o Castelo de Mértola perde importância e o abandono a que foi sujeito estende-se às suas muralhas.

Do recinto castrense, para além da já mencionada altiva torre de menagem trecentista, subsistem uma outra torre menor e alguns cubelos defensivos que reforçam os arruinados panos de muralha e que se estendem até à vila, para além de outras edificações defensivas, algumas das quais revelando estruturas e materiais romanos e árabes. No centro da praça de armas encontra-se a cisterna, coberta por uma abóbada de berço.

Publicidade

Apresentação | Publicidade | Estatuto editorial | Contatos